27 de março de 2011

Espumas d' Mágoas

Eu tinha um sonho
Mas algo me fez acordar
Levei um tapa da realidade
Que afundou sem piedade
O que construí aos poucos
Levando ao fundo do mar

Como numa linda praia
Muito bela de se olhar
Construía meu castelo
Este seria tão belo
Que então me prenderia
E seria assim meu lar

Foram várias tentativas
Pra este ser o meu lugar
Mas, em cada uma delas,
Tuas ondas, mesmo belas,
Me varriam todos planos
Tinha de recomeçar...

Mas não era assim tão fácil
Para, o monte, edificar
A inconsciência das ondas,
A inconsequência das águas
Com a força da sua cólera
Sempre o tentava moldar

Eu ainda persistia
E tentava me esforçar
Eu sentia os meus medos
Escorrendo pelos dedos
Com areia em minhas mãos
Tentei tanto acertar

As ondas continuaram
Com o mar a balançar
Mas o que me massacrava,
A venda que me cegava,
Foi levada com o vento
E voltei a enxergar

Hoje, enxergo uma luz
Uma voz sempre a clamar:
“Se o vento está mudando
E, tuas águas, retornando,
Por que então morrer na praia,
Se ainda podes caminhar?”

Em parceria com Ikee
No link: http://verselog.blogspot.com/2011/03/espumas-d-magoas.html

2 comentários:

Isaque Ikee disse...

Olha o nosso filho aí... rsrs...
Achei muito legal esta nossa parceria.
Gostei muito do resultado. Você tem muitas ótimas idéias. Continue assim.

Espero poder fazer mais poesias contigo!

Abraço,
Ikee

Isaque Bressy disse...

Estava lendo novamente esta poesia... me arrepiei... precisamos fazer mais essas parcerias...