30 de maio de 2010

...Carta ao Amante...

Meu querido,

Os momentos vividos ao seu lado são por mim condenados, mas por meu coração preferidos. Cada olhar, gesto, insinuação, cada palavra deixada no ar desperta em mim a vontade de voltar no tempo. Me dói admitir que pude tê-lo ao meu lado, me fere lembrar que quando pude não me arrisquei. Não sei o que me acontece, mas só agora quando não mais me é permitido me desperta o desejo por me prender a você.

Mas não quero ser vítima, afinal fui eu que escolhi assim então aceito minha frustração. Nem quero te comover ou plantar sementes de dúvida em seu coração, respeito você e o seu compromisso.

Ah meu querido, é inevitável não me deixar seduzir por seu charme barato, seu sorriso safado... e por mais excitante que seja alimentar sentimentos ente nós, não me engano, não é minha boca que beijas, não é nos meus olhos que vislumbra sua face ao se declarar.

Mais cedo ou mais tarde sei que vou me magoar. Não sei até quando irei suportar, eu não posso evitar que um sorriso se apague em mim a cada vez que lembro que você não é meu... me faz tão bem ser desejada por você, me faz tão mal não poder corresponder. Pode até pensar que não o quero, mas na verdade não posso compactuar com uma física traição.

Nesses momentos vivo um difícil dilema: me fazer feliz enquanto o tenho pra mim e depois ter a consciência pesada ou respeitar meus valores, resistir e lembrar que a sua amada é outra?

Sei que irei resistir, não vou trair a outra mulher como eu. Mas também não o quero longe de mim e por isso me machuco alimentando nossas conversas e encontros.
Mesmo com toda essa confusão e impotência que me abate, não ouso me arrepender. Sei que é confuso abrir mão de mim por outra pessoa, mas tente entender, apenas faço o que gostaria que fizessem por mim. Me perdoe, mas não o quero em partes, em curtos momentos, em mentiras usuais.

Afinal, também tenho uma vida para viver, tenho paixões que posso e devo corresponder.
Te jogarei para o alto, ao sabor do vento... mas no meu íntimo continuarei torcendo para nosso reencontro.





5 comentários:

Wellington Morais disse...

Oi moça...

Confesso q quase não comentei seu post, pelo fato de q quando li o título, achei q se trataria de um texto q eu não gostaria em relação ao assunto mencionado...

Mas eu acabei vendo pontos positivos, como nesse trecho:


"Sei que é confuso abrir mão de mim por outra pessoa, mas tente entender, apenas faço o que gostaria que fizessem por mim. "

Me identifiquei com essas partes pq eu tb sou do tipo q não faço pros outros o q não quero q façam comigo...

Acabei até gostando do texto... =)

Bjs!

...A Confessora... disse...

Obrigada Bonito, concordo que o nome "Amante" é pesado, mas o usei no apenas como sinônimo para pessoa amada...rsrs.
QUe bom que apesar de tudo gostou!
Beijos...xD

Math disse...

Quase não li o texto também pelos mesmos motivos, mas adoro a forma como você escreve e expõe sentimentos. E não me arrependi, gostei muito, e até 'dialoguei' com o texto em certos momentos, como neste trecho por exemplo:

"Nesses momentos vivo um difícil dilema: me fazer feliz enquanto o tenho pra mim e depois ter a consciência pesada ou respeitar meus valores, resistir e lembrar que a sua amada é outra?"

Respondi sem hesitar, resista! rs.

riu disse...

muito bom a postagem.. quando estiver mais velha vai percebe ki esse blog é uma alto biografia.. beijos amiga

Felipe Fábio disse...

que dilema: me fazer feliz enquanto o tenho pra mim e depois ter a consciência pesada ou respeitar meus valores, resistir e lembrar que a sua amada é outra?

realmente.. as vezes entramos em duvidas.. mas nessas horas o coração decide.. mas algumas ferimentos de vez em quando tem que ser curados.. se mim entendem..

mas o ideal é pensar bem antes de agir.

bjss Lari